Artigos

Como Calcular a Revisão da Vida toda?

| Categoria: Direito Previdenciário


A “Revisão da vida toda” já é um direito reconhecido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), e em 06/06/2021 o Ministério Público Federal deu parecer favorável aos aposentados.

Este parecer é um bom indicio que o direito do aposentado, já garantido do STJ, será também reconhecido no STF (Supremo Tribunal Federal).

Apenas para relembrar a “revisão da vida toda”, permite aos segurados que tiveram salários de contribuições antes de julho de 1994, incluir estes valores nos cálculos da aposentadoria e isso pode ter um impacto grande no valor recebido pelo aposentado.

Então afinal quem tem direito a Revisão da vida toda?

As pessoas que se aposentaram na regra de transição da Lei 9.876/99.

Não ter ultrapassado 10 anos desde o primeiro recebimento do salário de benefício.

Entendi, mas como qual a maneira de se fazer o cálculo da revisão?

Como se falou até o momento as pessoas que se aposentaram-nas condições acima, não tiveram incluídos as contribuições feitas antes de julho de 1994.

Pois bem, para calcular o novo valor da aposentadoria, as contribuições realizadas antes de julho de 1994 serão computadas.

Na prática, solicitamos ao cliente o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) e outros documentos mais, pois somente o CNIS pode estar incompleto.

Tais documentos como Carteiras de Trabalho, holerites e guias (carnês) pagos pelo segurado são fundamentais para verificar a possibilidade de inclusão dos benefícios trazidos pela “Revisão da Vida Toda”.

De posse destes documentos refazemos os cálculos de aposentadoria considerado o período de contribuição anterior a junho de 1994.

Porque é importante fazer os cálculos?  

A “Revisão da Vida Toda” não é boa para todo mundo.

Porque em qualquer revisão é sempre necessário fazer o cálculo e analisar se será mais vantajoso.

Para saber se é interessante entrar com ação judicial somente com o cálculo em mãos.

Para fazer revisão é preciso uma ação judicial, pois o pedido administrativo não é algo que o INSS aceita.

Desse modo, você precisará contratar um advogado especialista em Direito Previdenciário que tenha experiência em Revisão da Vida Toda.


Comentários (0)

Seja o primeiro a comentar nesse artigo


Deixe seu comentário abaixo.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *